quinta-feira, 28 de abril de 2011

Balões num céu cinza de Inverno

Não posso mais ver ela.
Penso em tudo o que ela me disse.
Lembro do sorriso, dos encontros no fim de tarde naquela praçinha durante o inverno - quando estávamos sós, nó dois, sentados no escuro -
Lembro do riso nervoso dela dos nossos longos silêncios ou até mesmo  quando ela tentava ler os balões que paravam sobre a minha cabeça.
Lembro do beijo, de quando eu nervoso toquei ela pela primeira vez,
Depois de um silêncio que me fez tomar essa atitude.
Lembro de como eu arrumei o cabelo e ela sem graça me disse que não podia mais me ver.
Lembro principalmente do cabelo, lembro desse dia.
Lembro do que eu queria ter dito para ela, sem tremer, sem gaguejar, sem comer todos os meus dedos, sem ter enlouquecido, sem ter perdido a minha paz.
Que eu queria que ela ficasse mesmo que ela não pudesse.
Eu guardei tanto a ela que não me importaria se ela não mais me amasse
Ou nunca tivesse o feito.

Um comentário:

Ro Malet disse...

Ahhh minha doce ruby, queria eu escrever assim!
o melhor dos teus textos que eles me transferem direto para meu mundo imaginário, consigo montar cenas interias e me perco.
Te amo gata!

beijos